COMPARTILHAR

Uma professora do Illinois, nos EUA, que foi exaltada por negacionistas da pandemia da covid-19 por se recusar a usar um certificado de vacinação, está, afinal, vacinada.

"Ser contra o uso do certificado, não é o mesmo que ser contra a vacinação", explica agora Kadence Koen.



A docente da Southeast High School decidiu, em setembro passado, ficar afastada ao invés de apresentar um certificado de vacinação. Recorde-se que no país, os docentes são obrigados a apresentar um certificado de vacinação ou a ser sujeitos a testes semanais à Covid-19 para poderem dar aulas.

Kadence acabou ficando conhecida por se recusar a fazer qualquer umas destas duas opções e preferiu ficar em casa.



Os que conheceram a sua história partiram do principio que a professora seria contra a vacina contra a Covid-19, mas estavam enganados. Kadence já estava, afinal, vacinada e provou-o.

"Anti-certificado não significa anti-vacinação. Significa pró-independência, pró-autonomia médica e pró-liberdade. Não deveriam todos os americanos concordar com a liberdade de escolha?", escreveu.

A professora de matemática foi vacinada com a 1.ª dose em 29 de junho e uma segunda dose em 19 de julho. A docente enviou esta informação também para a administração escolar do distrito.

A sua licença termina a 17 de novembro e a docente espera ter autorização para voltar a fazer a quilo que mais gosta: ensinar. Agora os grupos anti-vacina estão criticando a profissional.